Aproveitamento da Energia Solar pelos

Pescadores  Artesanais do Vale do Ribeira

PROJETO2

De forma demonstrativa e indiretamente vai beneficiar os pescadores da colônia Z-7, população tradicional de caiçaras que vivem às margens do Rio Ribeira e do estuário no município de Iguape, que é a maior colônia de pescadores do Estado de São Paulo, com 1.800 inscritos. A energia fotovoltaica viabiliza a economia e a geração de renda, consequentemente melhora a qualidade de vida destes ribeirinhos.

ft1

1)Do Ponto de vista ambiental: Normalmente para atender esses moradores, o sistema convencional de energia, ex: programa luz para todos, precisam suprimir a vegetação na extensão de toda a rede de transmissão e manter essas áreas sobre constante degradação.

 O sistema proposto utilizando painéis fotovoltaico elimina essa degradação nas florestas, que é um fator limitante a melhoria da qualidade de vida dos moradores da floresta, principalmente em grande parte de toda a Amazônia e não só para a região estuarina do município de Iguape.

A produção de pescado através do Extrativismo causa uma pressão negativa sob os estoques pesqueiros causando grandes impactos sendo muitas vezes imprevisíveis nos ecossistemas. Por outro lado, a utilização de peixes exóticos, a medida que substitui o pescado nativo, quando criados sob o sistema de tanques redes, ou em represas, correm o risco de contaminar o ambiente  com dejetos ou com a fuga dos peixes.

 O sistema proposto neste projeto, utiliza tanques aéreos de baixo custo, utilizando energia solar para bombeamento permanente, para peixes exóticos sem oferecer riscos para o meio ambiente, sem poluir com os dejetos dos peixes, sem poluir com a introdução de novas espécies, e viabilizando a criação em cativeiro, reduzindo a pressão do extrativismo. Este projeto, propicia a criação de estrutura e um método capaz de viabilizar a criação de peixes nativos.

A cada dia as restrições ambientais aumentam no Estado de São Paulo, sendo praticamente impossível conseguir legalizar um tanque “rede rede” dentro de um rio estadual. No vale do Ribeira, não se consegue fazer mais uma represa, ou legalizar uma piscicultura que utilize corpos d’água naturais.

 O projeto viabiliza um meio de transporte limpo, muito menos poluente para o meio ambiente, sem oferecer o risco de contaminação do ambiente pelo uso de combustíveis fósseis, e pela poluição causada pelas embalagens desses combustíveis. Propicia uma alternativa ao uso de pequenas rabetas de 5hp, sem barulho, mais leves e menos perigosas. Utiliza e preconiza o uso de canoas de alumínio soldado, que são resistentes, baratos. Os barcos de alumínio evita a constante busca e derrubada de árvores das florestas, para a fabricação de canoas. Ressalta-se que os moradores da floresta, utilizam canoas de madeira porque não possuem condições de ter uma canoa de alumínio, pois sabem que são mais duradouras, mais seguras, e mais leves.

2) Do ponto de vista social: Este projeto deve ser realizado para priorizar os beneficiários composta pela população tradicional de caiçaras de Iguape bem como atende os pescadores artesanais familiares que possuem a DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf). Tem como meta viabilizar um sistema experimental de transporte, comunicação, alimentação e geração de renda para os moradores da floresta, utilizando 20 pescadores que vivem na Amazônia Paulista, conhecida como Vale do Ribeira.

Através da Meta II, atende-se a demanda básica desses moradores, que é ter energia elétrica em suas casas, para atender suas demandas básicas, com TV, geladeira, freezer para guardar alimento ou a produção, mas sem transformar esta demanda que muitas vezes é um sonho em um pesadelo, pois não vai ter a obrigatoriedade de pagar a conta de luz todos os meses, tarefa esta que tem sido o martírio das família moradoras da floresta.

O projeto vai possibilitar a redução do êxodo rural, e propiciar que as novas casas de pescadores, utilizem um sistema de geração de energia elétrica menos impactante. Na meta I, que trata do uso de um sistema de tanques aéreos para produção de pescado. Este projeto viabiliza uma fonte de renda e de alimento para os moradores ribeirinhos, pois propicia o controle total da produção de pescado, próximo a sua casa, sem riscos de roubo, predação natural, ou de problemas ambientais, como enchentes e secas. Viabiliza o aproveitamento dos peixes pequenos, comumente capturados nas redes e que são desperdiçados, através da disponibilidade de um local para engorda sob controle.

Na meta III, o projeto visa resolver o problema de transporte da Amazônia e dos pescadores da região de Iguape, que é ter disponível e pagar pela gasolina utilizadas nos seus motores com rabetas. O projeto desenvolve uma canoa de alumínio soldado, de baixo custo, movida a motor elétrico alimentado com energia fotovoltaica. Na Amazônia, muitos pescadores ficam dias parados, esperando os atravessadores de gasolina, passar pela comunidade para poderem abastecer suas rabetas. O projeto vai viabilizar um transporte rápido e econômico.

De forma demonstrativa e indiretamente vai beneficiar os pescadores da colônia Z-7, população tradicional de caiçaras que vivem às margens do Rio Ribeira e do estuário no município de Iguape, que é a maior colônia de pescadores do Estado de São Paulo, com 1.800 inscritos. A energia fotovoltaica viabiliza a economia e a geração de renda, consequentemente melhora a qualidade de vida destes ribeirinhos.

METAS DO PROJETO

META 1- ENERGIA FOTOVOLTAICA APLICADA PARA A PRODUÇÃO DE PESCADO

   Esta meta visa à implantação de 21 módulos de produção de peixes em tanques aéreos, onde todo o sistema de abastecimento, aeração e tratamento da água é realizado através do uso da energia solar.

META 2- ENERGIA FOTOVOLTAICA APLICADA A PESCA ARTESANAL

   Esta meta visa construir 21 barcos com chapas de alumínio naval soldadas, movida a motor elétrico abastecido com energiasolar através de painel fotovoltaico.

META 3- ENERGIA FOTOVOLTAICA RESIDENCIAL PARA PESCADORES TRADICIONAIS

   Serão implantados 21 kits de energia solar através de painéis fotovoltaicos em 21 residências, para abastecer as casas possibilitando a substituição e ou redução da energiaelétrica tradicional.

Outras vantagens da energia solar

A energia solar é renovável e sua disponibilidade é gratuita pela luz do sol. É considerada uma forma limpa de produzir energia, não emite poluentes na atmosfera. A sua utilização implica emuma menor emissão de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera, que normalmente são gerados por outras fontes de energia.

ft2

A Energia solar está cada vez mais avançada, com maior durabilidade dos equipamentos e menores custos ao alcance de todas as populações.

FINANCIADORES:

pc1 pc2